quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A FARSA DO NATAL

Muitos cristãos, inocentemente, aderem a práticas religiosas sem ao menos se atentarem que, na realidade, repetem alguns dos mesmos atos e 'rituais' de culturas pagãs passadas. A comemoração do Natal e o 'culto' à sua árvore são exemplos de como muitos conseguem ser iludidos pela religião.
Semíramis e a farsa do Natal e sua árvore
Para falar do NATAL, é preciso voltar ao tempo de NOÉ, após o dilúvio,
quando um de seus filhos, CAM, o viu dormindo embriagado e nu. Ele começou a rir de seu pai e correu para contar aos seus outros dois irmãos, SEM e JAFÉ.
Estes, ao contrário, foram de costas e cobriram a nudez do pai. NOÉ, quando soube do acontecido, amaldiçoou seu filho CAM, para que este e seus descendentes servissem a seus outros dois filhos. E toda a geração após ele se tornou maldita.
CAM casou-se com SEMÍRAMIS (esta é a mulher da nota de 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 reais; a mulher da Estátua da Liberdade; a mulher da balança da justiça; da Columbia Pictures, etc.)
e ambos geraram um filho, NINRODE. Ele matou seu pai CAM e casou-se com sua mãe.
Foi o fundador da Babilônia, Nínive e outras cidades pagãs. Tentou levantar a torre de BABEL, e DEUS o impediu.
Seu tio SEM o matou, pois ele estava se opondo muito contra DEUS. SEMÍRAMIS, sua mãe e esposa, espalhou a mentira de que ele não havia morrido, e sim que havia ido para o céu, pois ele se dizia deus - o deus sol.
SEMÍRAMIS engravidou e dizia ser um presente dos deuses, que era a reencarnação de NINRODE; mas, na verdade, era fruto de uma traição, pois seu marido, e filho, já estava morto. E nasceu TAMUZ, no dia 25 de dezembro, deus sol dos egípcios, babilônicos, gregos, persas, romanos e, hoje, das S.S. (sociedades secretas).
Ele morreu durante uma caça, provavelmente por um animal selvagem, e seu corpo ficou caído sobre um tronco apodrecido de árvore. Sua mãe dizia que neste tronco nasceu um pinheiro, e todos os anos, no dia 25 de dezembro, era comum as pessoas levarem um pinheiro para dentro de casa e o enfeitarem com ouro e prata, como símbolo do renascimento de TAMUZ.
As sacerdotisas jejuaram e choraram por 40 dias e 40 noites a morte de TAMUZ ao pé do pinheiro e, no final desse período, elas agradeciam umas às outras fazendo trocas de presentes, os quais eram depositados aos pés desse pinheiro. Todos os anos, no dia 25 de dezembro, era comemorado o Natal (nascimento de Tamuz).
Quando os PERSAS dominaram essa região, eles levaram todas as idolatrias para a PERSIA, inclusive os deuses TAMUZ, NINRODE E SEMÍRAMIS, que apenas mudaram de nome. O domínio, em seguida, passou para os GREGOS, e estes fizeram a mesma coisa, mudando apenas os nomes; eles passaram a ser ZEUS, AFRODITE E EROS.
Em seguida, os EGÍPICIOS dominaram e mudaram os nomes também, passando a se chamar OSIRIS, ISIS E HORUS.
Já nos tempos de JESUS CRISTO, o domínio era ROMANO, e ROMA mudou também os nomes. Passaram a se chamar apenas VÊNUS E CUPIDO, caindo a figura do pai. E no Século IV, depois de CRISTO, o imperador CONSTANTINO, para agradar aos CRISTÃOS que eram em grande número em ROMA, decidiu oficializar o CRISTIANISMO como religião oficial de ROMA. E para agradar ainda mais a eles, pegou os nomes mais fortes dentro do CRISTIANISMO e passou a chamar os ídolos por nomes CRISTÃOS.
TAMUZ e SEMÍRAMIS passaram a se chamar MENINO JESUS e VIRGEM MARIA. Assim, o Natal continuou a ser comemorado como sendo o nascimento do menino JESUS, mas, na verdade, esse menino seria TAMUZ, o deus pagão.
Outro engano disfarçado são os obeliscos. Feitos de uma pedra em forma quadrangular e alongada, os monumentos, preferencialmente, eram colocados na área central de amplos espaços abertos e nos templos do deus sol, Rá. E, apesar de no antigo Egito obelisco significar ‘proteção’ ou ‘defesa’, saiba o que realmente representa.
Obelisco
Você está olhando para a mais famosa representação pública do ato sexual no mundo. Este obelisco, no meio da satânica Roda das Oito Etapas para a Iluminação, encontra-se na Praça de São Pedro, no Vaticano. Bastante interessante ver uma representação sexual no Vaticano, pois eles falam muito sobre sexualidade, uma prova de que o catolicismo romano é uma forma de satanismo muito profunda. Outra prova é a ‘cruz invertida’, usada pelo papa.
Concluímos que o Obelisco é um monumento feito para adorar deuses, simbolizando a bandeira de Lúcifer e o ato sexual.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Quais foram o significado e o propósito das tentações de Jesus?"

 Resposta: Após Seu batismo, Jesus foi "levado pelo Espírito ao deserto, onde, durante quarenta dias, foi tentado pelo diabo" (Lucas 4:1-2). As três tentações de Jesus no deserto foram um esforço de seduzir e transferir a Sua fidelidade de Deus a Satanás. Vemos uma tentação semelhante em Mateus 16:21-23 onde Satanás, através de Pedro, tenta Jesus a renunciar a cruz à qual estava destinado. Lucas 4:13 nos diz que após as tentações no deserto, Satanás "o deixou até ocasião oportuna", o que aparenta indicar que Jesus foi tentado outras vezes por Satanás, embora novos incidentes não sejam registrados. O ponto importante é que, apesar de várias tentações, Ele nunca pecou.

Que Deus tinha um propósito ao permitir que Jesus fosse tentado no deserto é evidente pela declaração "foi levado pelo Espírito ao deserto". Uma finalidade é assegurar-nos de que temos um sumo sacerdote capaz de Se relacionar conosco em todas as nossas debilidades e fraquezas (Hebreus 4:15) porque Ele mesmo foi tentado em todos os pontos nos quais também somos. A natureza humana do Nosso Senhor permite que Ele compreenda as nossas próprias fraquezas por ter sido submetido à fraqueza também. "Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados" (Hebreus 2:18). A palavra grega traduzida "tentado" aqui significa "pôr à prova". Então, quando somos colocados à prova e testados pelas circunstâncias da vida, podemos ter certeza de que Jesus entende e se solidariza como alguém que sofreu as mesmas provações.

As tentações de Jesus seguem três padrões que são comuns a todos os homens. A primeira tentação diz respeito à concupiscência da carne (Mateus 4:3-4), a qual inclui todos os tipos de desejos físicos. O Nosso Senhor teve fome, e o diabo o tentou a transformar pedras em pão, mas Ele respondeu citando Deuteronômio 8:3. A segunda tentação foi acerca da soberba da vida (Mateus 4:5-7), e aqui o diabo tentou usar uma passagem da Escritura contra Ele (Salmo 91:11-12), mas novamente o Senhor respondeu com a Escritura em sentido contrário (Deuteronômio 6:16), afirmando que seria errado abusar de Seus próprios poderes.

A terceira tentação foi acerca da concupiscência dos olhos (Mateus 4:8-10), e se algum atalho ao Messias fosse possível, evitar a paixão e crucifixão para as quais Ele originalmente veio seria a forma. O diabo já tinha o controle sobre os reinos do mundo (Efésios 2:2), mas estava pronto a dar tudo a Cristo em troca de Sua lealdade. O mero pensamento quase causa a natureza divina do Senhor a tremer, e Ele responde agressivamente: "Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’" (Mateus 4:10, Deuteronômio 6:13).

Caímos em muitas tentações porque a nossa carne é naturalmente fraca, mas temos um Deus que não nos deixará ser tentados além do que possamos suportar; Ele proverá uma saída (1 Coríntios 10:13). Podemos, portanto, ser vitoriosos e agradecer ao Senhor pelo livramento da tentação. A experiência de Jesus no deserto nos ajuda a enxergar essas tentações comuns que nos impedem de servir a Deus de forma eficaz.

Além disso, Jesus nos deixa o exemplo de como devemos responder às tentações em nossas próprias vidas -- com as Escrituras. As forças do mal vêm sobre nós com uma miríade de tentações, mas todas têm as mesmas três coisas em sua essência: a concupiscência dos olhos, a concupiscência da carne e a soberba da vida (1 João 2:16). Só podemos reconhecer e combater essas tentações ao saturar os nossos corações e mentes com a verdade. A armadura de um soldado cristão na batalha espiritual inclui apenas uma arma ofensiva, a espada do Espírito, ou seja, a Palavra de Deus (Efésios 6:17). Conhecer a Bíblia intimamente vai colocar a espada em nossas mãos e nos capacitar a ter vitória sobre as tentações.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A psicologia descobrindo o que as Escrituras Sagradas já haviam revelado

Quando temos pensamentos que nos incomodam, que nos desanimam, que nos deprimem, que nos colocam em causa a nossa autoestima, que nos viram contra o mundo, certamente causam-nos algum tipo de problema pessoal ou problema psicológico, prejudicando-nos. Estas distorções cognitivas ou distorções do pensamento são também conhecidas como mensagens enganosas do cérebro.
A maioria de nós pensa assim, pelo menos por algum tempo. Facilmente conseguimos perceber que este tipo de pensamentos quando prolongados no tempo e enraizando-se em padrões mentais, podem constituir-se como obstáculos ao equilíbrio emocional. Estas distorções do pensamento podem conduzir à infelicidade, e não apenas para você, mas para aqueles ao seu redor. Mudar o seu pensamento é difícil. Mas difícil não é impossível."  Fonte: Escola Psicologia


Quando uma pessoa passa por dois ou mais problemas parecidos, seu cérebro acaba criando uma verdade para si mesmo e que na maioria das vezes essa "verdade" não procede. A pessoa passa a ver tudo a preto ou branco, sem meio termo. Ou está sempre tirando conclusões precipitadas de tudo. Isso acontece devido experiências muito fortes que a pessoa passou e que mexeu com ela.

Por exemplo: Uma pessoa que foi muito humilhada ou destratada por um patrão, depois acontece algo parecido em outro trabalho com outro patrão. Seu cérebro cria uma imagem a respeito de “patrão” que todos são iguais.

O estudo da psicologia afirma que: É possível não seguir os pensamentos que não lhe servem; é possível criar pensamentos que o beneficiem de acordo com os seus objetivos. E o Espírito Santo através do apóstolo Paulo adverte: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2)

A Bíblia afirma: “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado.” (Provérbios 19:2) Antes de deduzirmos ou concluirmos o que quer que seja, devemos refletir, para não pecarmos ao julgarmos algo ou alguém precipitadamente pela verdade que o nosso cérebro criou. Pois, existem coisas que só com o tempo são esclarecidas e quando julgamos precipitadamente, iremos descobrir depois deste tempo, que nada era do jeito que achávamos que era. A solução para conseguirmos a renovação da nossa mente é observarmos as Escrituras, e colocar em prática os seus ensinamentos.

Meditando sobre Moises


A Intimidade de Moisés com Deus e o Desejo de Josué de Conhecê-Lo
 

Ex 33 – 35
Ex 33: 11 – “Falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo; então, voltava Moisés para o arraial, porém o moço Josué, seu servidor, filho de Num, não se apartava da tenda.”
Deus havia falado que não subiria no meio do povo para a terra prometida por eles serem um povo de dura cerviz. Moisés mais uma vez intercede e diz “se a tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar” (Ex 32: 15), pois ele sabia que nada podia fazer sem o Senhor.
A tendência de todo homem é se desviar (Os 11: 7), muitas pessoas no lugar de Moisés poderiam achar que tinham condições de conduzir o povo adiante, achariam motivo de se orgulhar em ter tirado o povo do Egito, se exaltariam no status de liderança e imaginariam que o fato de ter Deus por perto não é tão essencial. A natureza do homem é má, mas Moisés tinha um constante relacionamento com Deus e isso impedia que ele desagradasse o coração do Pai. A intimidade dele era tão grande que o Senhor falava com ele face a face, como um amigo. Moisés não dava lugar à carne e por isso se mantinha humilde, contrito, dependendo de Deus como um bebê depende dos pais. Esse é o segredo de quem quer perseverar até o fim.
Hoje na igreja, se procurarmos cuidadosamente acharemos pouquíssimos “Moisés”, mas encontraremos muitos “Josués”. Josué era um jovem que tinha um desejo imenso de conhecer de perto o Deus que Moisés tanto falava. Ele não só admirava as palavras de Moisés, mas grudava nele. Josué foi até o monte e o esperou 40 dias até ele voltar e quando ele ia à tenda para buscar ao Senhor, Josué ia junto, mas quando Moisés voltava, ele não se apartava da tenda, porque era ali que Deus estava.
Josué era um homem comum que se tornou um grande homem porque buscou a Deus e se colocou a disposição. Hoje vivemos numa época que não é preciso construir tabernáculos e nos vestir com vestes sacerdotais. Jesus morreu pelos nossos pecados, o Deus glorioso que se esvaziou teve seu sangue derramado para que nós tivéssemos livre acesso ao Pai, pois esse sempre foi o seu desejo. Deus quer se relacionar conosco. Temos que buscá-Lo de todo nosso coração e estar disponíveis a Ele não é só falar “eis me aqui, envia-me a mim”, mas é preciso agir segundo essa fé, sem se acomodar nunca.


sexta-feira, 19 de julho de 2013

Amaldiçoando a Nós Mesmos

Amaldiçoando a Nós Mesmos
Balaque, rei de Moabe, estava amedrontado. Ele sabia que Israel era um povo numeroso e este rei estava a par do sucesso deste povo. Agora Israel estava acampado na fronteira de seu país! Ele enviou mensageiros ao profeta Balaão, pedindo-lhe que viesse amaldiçoar Israel (Números 22). Balaão, instruído pelo Senhor, recusou mas Balaque mandou mais mensageiros, oferecendo recompensas ainda maiores. Balaão estava possuído por sua cobiça e desejava fazer o que Balaque pedia. Quando Balaão consultou o Senhor novamente, foi-lhe dito que fosse com os mensageiros.
Quando Balaão chegou a Moabe, a única coisa que ele pôde fazer foi abençoar Israel! Três vezes Balaque fez preparações para Balaão amaldiçoar Israel e todas as vezes o Senhor não permitiu que ele amaldiçoasse Israel; em vez disso, o profeta pronunciou bênçãos sobre Israel. Balaque enfureceu-se com Balaão e mandou-o embora (Números 23-24).
Este, porém, não é o fim da história. Mais tarde, o povo de Israel pecou, cometendo fornicação e idolatria com as mulheres moabitas, e Deus enviou uma praga que matou 24.000 israelitas (Números 25). A Bíblia informa que foi Balaão quem aconselhou Balaque a instigar Israel a participar da idolatria (Números 31:16; Apocalipse 2:14; Judas 11; 2 Pedro 2:15). Balaão foi incapaz de amaldiçoar Israel diretamente, mas evidentemente entendeu o valor de colocar uma pedra de tropeço diante da nação!
O perigo da ganância é obvio na vida de Balaão. Ele foi reprovado pela sua própria jumenta (Números 22:21-34) e mais tarde foi morto numa batalha com os israelitas. Contudo, talvez, uma lição mais sutil nos espera nesta história. Deus protegeu seu povo não permitindo que Balaão o amaldiçoasse, mas Israel trouxe maldições sobre si mesmo ao desobedecer o Senhor. Do mesmo modo, Deus prometeu proteger seu povo escolhido de nossos dias, a igreja (João 10:28-29). Satanás está limitado em seu poder para afligir o povo de Deus, exatamente como Balaão estava (Tiago 4:7). Contudo, o tentador colocará pedras de tropeço diante de nós e . . . se cairmos, traremos a maldição do pecado sobre nós mesmos!

A queda de um profeta

A queda de um profeta

A. Balaão reconhecia que só poderia fazer e dizer o que Deus ordenasse. Então, por que ele continuou tentando acomodar os desejos de Balaque para amaldiçoar Israel? Porque Deus deu a Balaão certa permissão para ir a Balaque? Por que o anjo apareceu no caminho da jumenta? Como Deus mostrou graça a Balaão?

B. De acordo com Apocalipse 2:14, como finalmente Balaão encontrou um meio de atender aos desejos de Balaque de prejudicar Israel?


Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição. (Apoc. 2:14)

II. Consciência do perigo do namoro sem compromisso

A. Seremos como Balaão, tentando dançar sobre uma estreita linha de obediência a Deus e, ao mesmo tempo, tentando acomodar nossos próprios desejos?

B. As bênçãos involuntárias de Balaão sobre Israel trazem um belo quadro de um povo que era frequentemente fraco e rebelde. Que desejos essas bênçãos despertam em seu coração?

III. Nossa escolha – Ser o leão de Deus ou a presa de um leão?

A. Embora sejamos semelhantes a Israel em sua fraqueza para cair presa pela tentação, o que podemos fazer para morrer “a morte do justo” que Balaão profetizou? O que devemos fazer para evitar a queda de Balaão?

B. Como podemos atingir as bênçãos previstas por Balaão para pertencermos ao grupo dos filhos de Deus?

Resumo: Um profeta que no passado fora fiel se desencaminhou pela cobiça da recompensa de um rei mundano.

A Bíblia está cheia de personagens enfeitiçados pela cobiça, desde o rei Acabe e seu desejo assassino pela vinha de Nabote (1Rs 21até Judas, que traiu Jesus por trinta moedas de prata (Mt 26:15  - Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata)

Como as histórias bíblicas de cobiça, inclusive a história desta semana sobre Balaão, ajudam a explicar por que Deus detesta a cobiça?
Pense por um momento no primeiro e no último mandamento. "Não terás outros deuses diante de Mim" (Êx 20:3), diz o primeiro. 



Quatorze versos adiante, o décimo mandamento de Deus reverbera sobre a nuvem no Monte Sinai: "Não cobiçaras" (Êx 20:17). 

Por que Deus escolheu encerrar os mandamentos com uma ordem contra um pecado aparentemente insignificante, se comparado com o homicídio ou a adoração de ídolos?

Nesta semana, aprendemos que a história de Balaão – um relato aparentemente cômico de uma mula falante empacada diante de seu senhor agressivo – trata realmente do ímpeto com que a cobiça pode esmagar nossas melhores intenções. 

A princípio, podemos ser tentados a considerar Balaão mais como um estúpido que como um louco. Quem, afinal, ainda tentaria amaldiçoar o povo de Deus depois que a altercação de uma jumenta e de uma dura advertência feita por um anjo esgrimindo uma espada – para não mencionar aquelas palavras diretas de Deus – exigia o contrário? Mas logo aprendemos que o intenso desejo de recompensa por parte de Balaão eclipsou tanto seu bom senso quanto seu compromisso com Deus.

Se a vontade de Deus não estiver guiando nossa vida, a cobiça manterá as rédeas? 

Se não adoramos a Deus, diante de quem ou do que estamos ajoelhados? 

Como podemos evitar que a cobiça usurpe o lugar de Deus na vida de cada um de nós?

Um olhar à nossa agenda diária provavelmente revelaria muito sobre nossas prioridades. 

Embora seja fácil dizer que Deus tem a precedência, frequentemente, a maneira de gastarmos nosso tempo sugere o contrário. Onde Deus está em nossa lista de afazeres?
COMENTÁRIO BÍBLICO

As histórias a seguir revelam como a cobiça está realmente longe de ser insignificante, e sugere a razão pela qual Deus escolheu concluir Sua lei eterna como fez – 

Ele sabia com quanta facilidade aquilo que cobiçamos pode se tornar realmente o “outro deus” que corremos o perigo de pôr diante do Senhor. 

Em Josué 6 e 7 e, novamente, em 2 Reis 5, aprendemos o que acontece quando a cobiça expulsa Deus de nossa vida – quando se torna idolatria.

I. O disfarce de Acã
A história de Acã em Josué 6 e 7 sugere que a cobiça, apesar das elaboradas tentativas de escondê-la, nunca afeta apenas o culpado. Com a derrocada dos muros de Jericó ainda ecoando em seus ouvidos, os israelitas vitoriosos foram informados de que os espólios da cidade amaldiçoada não estavam disponíveis para todos. Mas alguém desconsiderou a proibição explícita de Deus sobre a pilhagem. Em meio ao caos depois da batalha, Acã surrupiou uma suntuosa vestimenta, dois quilos e quatrocentos gramas de prata e uma barra de ouro de seiscentos gramas (NVI). 



Certamente, ninguém haveria de descobrir seu saque, pensou consigo mesmo o presunçoso Acã e, satisfeito, escondeu tudo debaixo de sua tenda. Devido a uma esmagadora derrota militar, Josué implorou que Deus explicasse a súbita inversão de destinos. “Não estarei mais com vocês, se não destruírem do meio de vocês o que foi consagrado à destruição”, Deus disse a Josué (Js 7:12, NVI)

Na confissão de Acã, aprendemos como a cobiça é uma porta aberta para furto e fraude: “ ‘Eu os cobicei e os tomei; estão escondidos na terra, no meio da minha tenda” (v. 21, NVI).

Os despojos que Acã carregou de Jericó podem parecer sem importância, e seu castigo pode parecer excessivo, mas a história ilustra como é perigoso deixar que nossos desejos obscureçam os mandamentos de Deus e, pior ainda, agir como se não existissem.

Que evidência existe de que Balaão acreditava que podia esconder de Deus sua cobiça? Note sua resposta a Deus em Números 22:34: “Não percebi que estavas parado no caminho para me impedires de prosseguir” (NVI)

Balaão pode não ter visto o anjo armado bloqueando o caminho para Moabe, mas será que ele realmente achava que podia fazer Deus de bobo, fingindo que seu comportamento era honesto, especialmente depois das anteriores advertências de Deus contra seu curso de ação? Que passos podemos dar para evitar a presunção de Balaão?

II. A audácia de Geazi

Em 2 Reis 5, Naamã, tendo acabado de sair livre da lepra depois do sétimo mergulho no rio Jordão, insistiu com o profeta Eliseu para que aceitasse seus presentes de gratidão. Sempre humilde, Eliseu recusou aceitar o crédito pelo milagre e despediu Naamã, mas seu servo Geazi decidiu correr atrás deste, dizendo: “Juro pelo nome do Senhor que correrei atrás dele para ver se ganho alguma coisa” (v. 20, NVI). Geazi logo alcançou Naamã e convenceu o capitão de que Eliseu havia mudado de ideia sobre os presentes. Sua mentira lhe rendeu 35 quilos de prata e duas mudas de roupas finas (NVI).

O interessante nessa história de Geazi é sua audácia. Tendo acabado de voltar de sua incumbência ilícita, Geazi não se esquivou atemorizado; não! Ele imediatamente se apresentou a Eliseu, aparentemente esquecendo-se de que o profeta de Deus provavelmente sabia o que ele havia feito. Ou talvez ele pensasse que Eliseu veria seu lado das coisas. Voltando de sua cobrança da benevolência de Naamã, Geazi provavelmente se perdoou com muitas justificativas – ele era um servo, afinal, e nem mesmo de um rei ou capitão, mas de um profeta comparativamente humilde. 

Um par de novas roupas viria a calhar. Geazi pode até ter se convencido de que a necessidade, e não a cobiça, motivara suas ações. Mas a distorção da história nunca muda as consequências do pecado. Geazi foi ferido da mesma lepra de Naamã. Deus não considera de pouca importância a cobiça – nem nossas tentativas de racionalizá-la.

Comente: Tirando proveito da generosidade de Naamã, Geazi transformou um presente no pecado da cobiça. 

No estudo desta semana, como a cobiça de Balaão corrompeu o dom de profecia? E seu melhor juízo? 

Como Deus reage quando buscamos Seu poder para maus propósitos e, então, tentamos justificar nossas ações? 

Pense nos dons que Deus lhe deu. Você tem sido tentado a usá-los para propósitos que sabe estarem em conflito com Seus planos divinos?

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Um de meus testemunho



Meu papai amado é no nome do senhor Jesus que eu entro em tua presença para te agradecer pela vida ,família por tudo que o senhor me deste, perdoe as minhas faltas e falhas obrigado por seu amor e infinita misericordia pelo privilegio de ter o senhor como meu DEUS TE LOUVO E E TE DOU GRAÇAS por meu nome estar escrito no livro da vida obrigada senhor pela salvação da minha alma ,''POIS VIVER É CRISTO E MORRER É LUCRO" E é assim que um autentico filho de DEUS pensa vive e age ''CRISTO'' O sangue de JESUS CRISTO corre em suas veias minha vida não pertence a mim pertence a ti pois a vida que eu vivo CRISTO vive em mim,nos guarda SENHOR não permita que caiamos em tentação mas nos livra de todo o mau pois teu é o reino poder e Gloria para todo o sempre, meu senhor TA REPREENDIDO EM NOME DO SENHOR JESUS EU DETERMINO QUE ISSO NUNCA MAIS ACONTEÇA mas se algum dia o senhor achar que eu possa me desviar dos teus caminhos me recolhe antes não permita que isso aconteça ,quando eu alguns anos atrás me afastei de ti foi horrível hoje eu sei que um desviado sente , muitas das vezes se não dizer sempre, ele não volta porque ele não quer pelo menos foi assim comigo eu até queria mas estava enterrada no pecado no erro e o diabo se aproveitou de algumas escolhas erradas que fiz para me amedrontar me ameaçar mas vc pensa que eu tinha medo do físico não ,eu tinha medo era aterrorizada pelo espiritual meu psicológico ficou abalado meu corpo sentia frio e pavor pânico e se eu morresse onde estaria minha alma pois tinha consiencia que estava longe de DEUS por isso estava vulnerável ao diabo teve um dia após uns três meses de um acidente que sofri onde já relatei aqui em meu blog de DEUS não só ter me livrado da morte fizica mas principalmente da espiritual do inferno eu acordei numa manhã lembro como se fosse hoje ,foi terrível aquele dia eu senti a presença do diabo entrando em meu quarto foi como se uma sombra negra estivesse entrando meus pés foram gelando minhas mãos começaram a formigar meu coração acelerou muito comecei a bater o queixo com muito frio comecei a chorar desesperada queria me faltar ar chamei minha irmã ela chamou socorro ,como morávamos sozinhas estávamos a pouco tempo na casa não conhecíamos ninguém minha irmã sai desesperada na rua tentando parar algum carro para me levar ao medico até que ela consegue falar por tel com um conhecido que veio até minha casa para me levar ao medico quando estávamos a caminho do hospital eu falo não não me leva para o hospital quero ir em uma igreja universal me leva para lá eu precisava tinha que ir não dava para esperar mais queria me voltar para DEUS ele já tinha me dado uma chance tinha que decidir sair daquela perturbação daquele pânico daquela vida assombrada pelo diabo quando eu cheguei na igreja esperei o pastor terminar a reunião e fui falar com ele falei que estava em uma vida errada e o diabo sabendo da decisão que eu ia tomar após o acidente ele começou a ameaçar me eu estava passando por aquelas perturbações pavor frio e medo lembro me que faltava 5 a 6 dias para terminar o propósito do sacrifício da fogueira santa falei com o pastor que queria me batizar nem se fosse com um copo com aguá mas não queria sair dali com aquela vida cheia de pecado e acusações ele me batizou eu falei para ele sobre meu desejo de sacrificar mas faltava poucos dias eu disse a ele pastor a única coisa que eu tenho é um computador vou tentar vende-lo mas pastor se eu não conseguir vender ?tem poucos dias não conheço ninguém faz poucos dias que estou morando por aqui ele olhou pra mim e me disse filha eu abro uma ecesão pra vc se vc não conseguir vender traga o computador eu disse sim senhor ,pessoal eu não podia perder aquela chance estava ali a oportunidade de eu sair das garras do diabo e ter uma nova vida cumprindo um versículo bíblico que eu gostava e gosto muito "A GLORIA DA SEGUNDA CASA SERÁ MELHOR QUE A PRIMEIRA" detali quando chegou o dia para eu cumprir o meu voto tinha acabado o gaz em casa tinha cortado a luz e eu só tinha o $ da minha fidelidade do dizimo e o meu sacrifício que era o computador que já estava na caixa para ser levado mas eu não tinha $$ para ir até a igreja precisava ir tinha que ir tinha que dar um geito liguei para a igreja o pastor falou para uma obreira que tinha carro passar em minha casa e me levar até a igreja cumprir meu voto,GRAÇAS A DEUS CUMPRI sabia que DEUS ia mudar minha historia ,voltei para casa nem tinha o que comer fui dormir mas crendo que a vitoria era certa meu sangue agora clamava por mim ,quando acordei a noite era um conhecido me chamando para me dar um $$ era umas 10hs da noite pessoal eu tava com uma fome nunca passada antes mas eu tava feliz sabia que tinha feito a coisa certa e que o meu DEUS não ia me desamparar ele ia mandar o maná srsrrs meu maná naquele dia foi uma pizza com uma coca cola estupidamente gelada comemos eu e minha irmã rindo e agradecendo a DEUS PELA PROVISÃO pois estávamos na dependência de DEUS totalmente e ele provou não desampara aqueles que crêem em tua palavra ai no outro dia comprei o gaz a comida que estava faltando fiz alguns currículos o primeiro currículo que soltei já comecei a trabalhar meu primeiro emprego digno em um mercado onde agora poderia deitar e dormir em paz sem que nada me acusasse pois era uma nova mulher com uma vida lavada e remida pelo sangue do cordeiro ,eita pessoal eu comecei este post orando e olha só acabei contando parte do meu encontro com DEUS MAS amém se isso tudo que escrevi sobre o que eu passei servir para alertar nem que seja uma alma já fico muito grata a DEUS pois uma alma não tem preço é algo muito valioso ,por isso meu amigo e amiga leitor de meu blog nunca desista de sua fé por mais horrível que esteja sua vida não importa se vc se afastou creia que vc não esta lendo isso por acaso á uma chance se volte ainda á tempo corra para os braços do papai ele te espera até mesmo vc que esta firme na fé vc não esta lendo isso por acaso não ,todas as lutas que vc tem passado creia que o amanhã vai ser melhor que hoje seja perseverante firme forte use sua fé A FOGUEIRA SANTA É UMA OPORTUNIDADE NÃO DUVIDE CREIA JÁ DEU CERTO .
BEM meu nome é lucimara machado revoltada com diabo sou obreira de DEUS na igreja universal e estou na fé e hoje a gloria da segunda casa é melhor que a primeira tenho muito que conquistar ainda mas o bem maior que é a SALVAÇÃO o encontro com DEUS O ESPÍRITO SANTO DEUS ME DEU POIS O PRIORIZEI larguei a vida errada.e hoje sou uma filha uma serva aprendendo a aprender a cada dia mais de meu papai do céu coberta pelo sangue de JESUS e direccionada pelo carinhoso ESPÍRITO SANTO,não sou perfeita e nem queria mesmo srsrrs mas sou aperfeiçoada por JESUS a cada dia DEUS NOS ABENÇOE eu não o conheço muitos de vocês leitores de meu blog mas pode ter certeza que um se você permanecer firme perseverante valente nesta caminhada de fé nos encontraremos na Gloria Celestial com JESUS eu não vou desistir e você vai? VALE A PENA LUTAR VALE A PENA HÁ UMA ETERNIDADE A NOSSA ESPERA TE ENCONTRO LÁ